SFC: Resenha - A Travessia

Vou confessar uma coisa número 01: Comprei "A Travessia" mais por seu autor ser o de "A Cabana" (livro do coração) e porque o preço tava bom, na revistinha da Avon (acho que algo em torno de R$ 10,00), do que por qualquer outra coisa.
Vou confessar uma coisa número 02: Por pouco não me decepcionei com o livro.
Vou confessar uma coisa número 03: No final das contas, adoreeeiiii!!!

E agora vamos à resenha!


A Travessia fala "da trajetória" de um carinha, chamado Tony, que não era lá uma das melhores pessoas do mundo. Na verdade, ele tava um pouco distante dessa classificação. Tony era um típico empresário desconfiado de Deus e do Mundo (literalmente falando), arrogante, egocêntrico e muquirana - porque eu digo mesmo. Tony já tinha sido casado duas vezes em sua vida, as duas com a mesma mulher, mas agora adivinha só? É. Ele tava solteiro. Divorciado. Tony perdeu os pais cedo, se separou do irmão mais novo por uma questão de egoísmo, perdeu um filho de cinco anos de idade, tinha passado por cima da ex-mulher como um trator e a filha que restava simplesmente o odiava... Sim, sim, Freud deve explicar toda essa trama.

Mas eis que um dia, no auge de sua neurose, Tony tem uma espécie de Traumatismo craniano, Aneurisma Cerebral e Tumor... Tudo junto e misturado. Caso é que o dito cujo vai parar no meio de uma UTI, onde sua alma é separada de seu corpo para uma viagem interior.

Nessa viagem interior, Tony acaba conhecendo uma parte de si mesmo de que não gostou nada. O autor fez uma analogia do corpo com uma habitação e essa [habitação] de Tony, meu fii, tava bem foi da escoriada, viu? Dentro desse habitat, ele tinha reservado um espaço bem decadente pra Jesus Cristo e uma cabaninha caindo aos pedaços para o Espírito Santo (que William P. Young traz, mais uma vez, como sendo uma mulher... chamada Vovó... Cês devem ter percebido a correlação...).

Nesse lugar também habitavam os "protetores do muro", que se autodenominavam de jardineiros. Esses protetores se chamavam Petulante e Convencido, que eram diretamente subordinados do Ego que, por sua vez, se subordinava ao "Eu Superior" de Tony.

Pois bem. Petulante e Convencido eram responsáveis por proteger o muro e cuidar do jardim. Só que as ervas daninhas que eles arrancavam, na verdade eram rosas, já que essas tinham espinhos. Ao meu ver, as rosas representavam o Relacionamento Humano que, por algumas vezes nos trazer tristezas e decepções (apesar da alegria conferida na maioria dos momentos), pensamos em arrancar de nossa existência. Nós simplesmente achamos muito difícil manter certos relacionamentos e decidimos que é melhor não termos tantas preocupações com a sua manutenção. Então vamos lá e descartamos amigos, amores, família...  E Tony era exatamente o tipo de pessoa que não se relacionava. Pra ele, todo o relacionamento era à base de troca. Ele não confiava nas pessoas. Qualquer um que se aproximasse estaria interessado em alguma coisa...
Ô, homenzinho complicado, viu!

Apesar de toda a mensagem passada nessa parte do livro ser muito interessante, eu não gostei muito da linguagem utilizada... achei os diálogos entre Jesus, Tony, Vovó e os demais um tanto... chinfrins? E foi aí que quase, eu disse quase, me decepcionei (a verdade é que não sei se foi um problema com o autor ou com o tradutor da obra). Além do mais, em algum momento desses diálogos, as respostas são meio confusas e o autor tenta se sair dizendo simplesmente que Tony "não estava preparado suficiente para entender"... Aiiiiii!!

Mas aí a gente tem um outra parte, na verdade uma quase trama, muito engraçada, que salva a coisa toda. Caso é que a alma de Tony não viaja somente para dentro de si mesmo. Jesus dá a Tony uma oportunidade de curar uma pessoa no mundo. Qualquer pessoa. E é aí que sua alma, a de Tony, passeia no interior de algumas pessoas para enxergar certas coisas. Porque "os olhos são a janela da alma", Tony começa a ver através dos olhos de algumas "vítimas" para começar o processo de escolha do alvo da cura.

Primeiro, ele começa a ver através de um adolescente portador da síndrome de Down, chamado Cabby e depois (ele geralmente é transportado de corpo em corpo através de um beijo), passa pra uma enfermeira bem maluquinha, chamada Maggie.

Eu, particularmente, dei muita risada quando ele "incorporou" em Maggie. E olha só um trecho desse momento:


Tinha que ser alguém com imaginação muito grande pra pensar em escrever um livro desses e aplaudo mais uma vez o autor por isso.

Com certeza o livro tem uma mensagem de cunho evangélico. Ele fala de igreja, relacionamento, esperança, Deus, o homem e essas coisas todas. Mas tem uma parte em que Jesus fala sobre a morte. E essa vale ser parafraseada aqui. Eis:
Na verdade, você não pode curar ninguém, não sozinho, mas estarei do seu lado, e a pessoa por quem decidir orar, eu a curarei através de você. Mas esse tipo de cura física é, no fim das contas, temporária. Até aqueles que são curados pela fé acabam por morrer um dia."
Triste não? Fato é que a gente sabe que vai morrer, mas quem é que quer passar por isso? Deve ser por esse motivo que pedimos milagres de cura a Deus... Só que pra Ele a morte é só um processo natural da vida... Talvez pra Deus não importe muito como morreremos ou quando... Simplesmente porque, no fim, a gente vai morrer de qualquer jeito...

No final das contas, são 235 páginas valiosíssimas. Vale muuuuitooooo à pena ser lido A leitura é fácil e rápida. Tanto que o li em uns 5 dias, mais ou menos (lembrando que não tenho muito tempo pra ler). A editora é Arqueiro e... E mais nada. Leiam procês verem como é bom.

Abraços e Beijos!

Adna Maria.

.

10 comentários

  1. Parece ser bem interessante esse livro, não conhecia ele.

    A Beautiful Lie

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito interessante sim, Mari! Vale super à pena tu conhecer! Bjos, obrigada pela visitinha e chegue sempre por aqui!!

      Excluir
  2. Olá Adna tudo bem com você?

    Vim te convidar para participar de uma Tag (http://www.massovita.com/2014/08/tag-eu-e-o-blog.html) to te esperando lá no blog!!!

    Espero que participe!

    Bjks
    My

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sim, pode contar comigo! Só não vai sair muito rápido pq a pessoa tá assim... meio atarefa, nos últimos tempos, sabe? Mas vou botar lá no meu caderninho! Obrigada pelo convite, My! Bjos!

      Excluir
  3. Oi minha linda, respondendo sua pergunta no blog, eu criei a Tag rsrs
    Se você participar, me convide a responder rsrs

    Bjks
    My

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk... Tá certo. Vou chamar sim! Bjos!!

      Excluir
  4. Não li esse livro, mas fiquei muito curiosa, acho que vou catar por aqui e ler também ...
    Adoreiiiiii a resenha!!!

    Bjks
    My

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cata que vale à pena, Minda! Obrigadaaaaa!! Bjos!!

      Excluir
  5. Adorei a resenha, o livro me pareceu bem interessante...
    Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é, Rê! Uma bela dica pra quando tu tiver um tempinho... Beijos, lindaaa!!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...